sexta-feira, 31 de julho de 2009

Artur Vaz

Nome: Artur Paulo Assunção Vaz "Fininho"
Posição: Médio/Defesa
Nasceu em Setúbal a 3 de Abril de 1925 e faleceu a 30 de Julho de 2009.


Jogador com larga experiência e dedicação ao serviço do Vitória, desempenhou um papel importante na maior parte das épocas que alinhou pela camisola verde e branca. A sua apurada técnica e trabalho em prol da equipa, possibilitaram a Artur Vaz, a honra de envergar a camisola da selecção nacional por 3 ocasiões, numa época em que Benfica e Sporting predominavam na escolha de jogadores para a equipa nacional, pelo que era raro haver jogadores na selecção que não fossem destes clubes.

Proveniente das camadas jovens e das equipas de reserva do Vitória, estreou-se na época 1950-51 e após uma primeira época em que foi pouco utilizado, disputou as 9 épocas seguintes na equipa principal do Vitória sempre com notável regularidade e influência na equipa sadina. Desempenhou ainda, o cargo de treinador-jogador no Vitória, na época de 1959-60 nos últimos jogos do campeonato, após a demissão de Severiano Correia do cargo de treinador da equipa, não conseguindo evitar a descida à 2ª Divisão.

Vaz é o primeiro em baixo a contar da direita.


Internacionalizações:
África do Sul (22-11-1953);
Áustria (29-11-1953);
Argentina (28-11-1954).


Artur Vaz desarma Bentes da Académica de Coimbra

Palmarés no Vitória:

1950-51: 2 jogos; 2 jogos e 1 golo na Taça de Portugal
1951-52: 28 jogos, 8 golos na 2ª Divisão; 9 jogos e 1 golo no Campeonato Regional
1952-53: 22 jogos, 1 golo; 2 jogos na Taça de Portugal
1953-54: 22 jogos, 1 golo; 1 jogo na Taça de Portugal
1954-55: 24 jogos, 1 golo; 2 jogos na Taça de Portugal
1955-56: 25 jogos, 3 golos; 1 jogo na Taça de Portugal
1956-57: 17 jogos; 4 jogos na Taça de Portugal
1957-58: 24 jogos, 1 golo; 4 jogos na Taça de Portugal
1958-59: 24 jogos; 2 jogos na Taça de Portugal
1959-60: 22 jogos, 1 golo; 5 jogos na Taça de Portugal

Total: 242 jogos pelo Vitória (182 jogos na 1ª Divisão, 28 jogos na 2ª Divisão, 9 jogos no Campeonato Regional e 23 jogos na Taça de Portugal).
22 golos pelo Vitória (12 golos na 1ª Divisão, 8 golos na 2ª Divisão, 1 golo no Campeonato Regional e 1 golo na Taça de Portugal).

Vaz disputa a bola com Costa Pereira, guarda-redes do Benfica.

Corte acrobático de Artur Vaz

Com Carvalho no chão, Vaz e Graça
nada podem fazer para evitar o golo do Benfica.

1966-67

Em pé, da esquerda para a direita: Fernando Vaz, Vital, Conceição, Torpes, Herculano, Carriço, Mourinho e José Lima. Em baixo, pela mesma ordem: Pedras, José Maria, Carlos Manuel, Tomé, Guerreiro e Augusto.


Treinador:
Fernando Vaz
* 1ª Divisão

- 5º lugar (10 vitórias, 7 empates, 9 derrotas; 27 golos marcados, 25 golos sofridos, 27 pontos).
- Qualificação para a Taça dos Vencedores das Taças

Jogos para o campeonato

Benfica (c) 3-2 (f) 0-1
Académica de Coimbra (c) 0-1 (f) 0-3
FC Porto (c) 0-1 (f) 0-2
Sporting (c) 0-2 (f) 1-1
Vitória de Guimarães (c) 1-0 (f) 1-1
Leixões (c) 0-0 (f) 1-1
CUF (c) 3-1 (f) 0-1
Sporting de Braga (c) 1-2 (f) 3-2
Varzim (c) 1-0 (f) 1-0
Belenenses (c) 1-0 (f) 2-0
Sanjoanense (c) 0-0 (f) 1-1
Atlético (c) 0-2 (f) 2-0
Beira-Mar (c) 5-1 (f) 0-0

Jogadores utilizados
(presenças e golos marcados)


Guarda-Redes - Vital (25), Mourinho (1) e Joaquim Torres (1);
Defesas - Conceição (26), Carriço (19), Torpes (25), Leiria (17), Herculano (13), Carlos Cardoso (5) e Rebelo (3);
Médios - Tomé (21; 2 g), Augusto (24), Pedras (25; 5 g) e Armando (2);
Avançados - José Maria (24; 11 g), Guerreiro (20; 3 g), Carlos Manuel (16; 5 g), Arcanjo (6; 1 g), Quim (13; 1 g), Jacinto João (10) e José Carlos (1).

* Taça de Portugal (Vencedor)

1ª Eliminatória - Barreirense (c) 4-1 (f) 2-2
2ª Eliminatória - Sintrense (c) 3-0 (f) 2-1
Oitavos de Final - Representante de Moçambique
(vitória por falta de comparência do adversário)
Quartos de Final - Leixões (c) 3-0 (f) 3-0
Meias-Finais - FC Porto (c) 3-0 (f) 4-4
Final - Académica de Coimbra (n) 3-2

Jogadores utilizados
(presenças e golos marcados)


Guarda-Redes - Vital (9);
Defesas - Conceição (9), Carriço (8), Torpes (3), Leiria (8), Herculano (9), Carlos Cardoso (1) e Rebelo (1);
Médios - Tomé (9; 1 g), Augusto (3; 1 g) e Pedras (8; 11 g);
Avançados - José Maria (9; 2 g), Guerreiro (9; 3 g), Carlos Manuel (4; 4 g), Arcanjo (1), Quim (2), Jacinto João (5) e Vítor Baptista (4).


* Taça das Cidades com Feira / Taça UEFA

1ª eliminatória - isento
2ª eliminatória - Juventus (c) 0-2 (f) 1-3

Jogadores utilizados
(presenças e golos marcados)

Guarda-Redes - Vital (2);
Defesas - Conceição (2), Torpes (2), Leiria (2), Herculano (1) e Carlos Cardoso (1);
Médios - Tomé (2), Augusto (2) e Pedras (2);
Avançados - José Maria (2), Guerreiro (2), Carlos Manuel (1; 1 g) e Jacinto João (1).


quinta-feira, 30 de julho de 2009

Vitor Baptista

Nome: Vítor Baptista
Posição: Avançado
Alcunhas: O Maior / O Rapaz do Brinco / O Gargantas / O Rapaz dos Pés de Ouro / Meu Deus
Nasceu em Setúbal a 18 de Outubro de 1948 e faleceu a 1 de Janeiro de 1999.

'O Maior'

Chamaram-lhe muitas coisas. ‘O rapaz do brinco’. Génio. Louco. Nos tempos de Vitória, dois colegas deram com ele frente a um espelho, durante um estágio, a falar para a própria imagem: "Ó meu Deus, porque me fizeste tão belo?" A alcunha ficou, ‘Meu Deus’. Devido a uma certa fanfarronice, também lhe chamavam ‘Gargantas’. Mas para si mesmo era apenas ‘O Maior’. E isso resumia a sua vida. O maior, para o Bem e para o Mal.
Nasceu em Setúbal e no Vitória iniciou-se no futebol aos 13 anos, quando já trabalhava como electricista. No percurso juvenil desenvolveu qualidades acima da média e aos 18 anos o seleccionador José Maria Pedroto chamou-o à selecção de juniores. Estávamos em 1967, ano de outra estreia, na equipa sénior do Vitória, contra o Leixões, em jogo da Taça de Portugal. Era ainda júnior e do clube recebia em géneros: refeições pagas na Pensão Vitória.
A emergência de um talento que não tardaria a ser cobiçado obrigou os dirigentes a oferecer-lhe contrato profissional. 'Dois contos e quinhentos por mês', recorda Fernando Tomé, antiga glória do futebol sadino e o melhor amigo de Vítor Baptista nesses tempos. 'Tratávamo-nos por ‘irmão’. Houve um jornalista que um dia até nos chamou ‘irmãos siameses’.' Tomé relembra o Vítor Baptista desses tempos como 'um menino grande'. 'Para ele, a vida era uma brincadeira, um grande jogo. Tinha coração de ouro, dava a camisa pelos amigos, mas não levava as coisas a sério. Isso haveria de ser-lhe fatal.'
Após avançar do meio-campo para o ataque, Vítor Baptista marcou 33 golos pelo V. Setúbal em duas épocas. Era o jogador mais cobiçado do futebol português, com o passe avaliado em 6 mil contos. Uma fortuna em 1971. O Vitória fazia tudo para segurar a pérola mas era impossível. Surgem notícias de conversações com o Sporting, e isso bastou para o Benfica ‘perder a cabeça’: ofereceu uma das suas estrelas de sempre, José Torres, juntou-lhe dois jogadores de bom potencial, Matine e Praia, acrescentou 3 mil contos – e ganhou a corrida.
Na Luz, Vítor Baptista viria a conquistar cinco títulos de campeão nacional. Jogava na Selecção, ganhava bom dinheiro – e fazia todos os dias a viagem entre Setúbal e Lisboa no seu fantástico Jaguar 4.2, um ícone automobilístico da época. Estava no topo.
Sem que se saiba muito bem quando e onde, Vítor Baptista iniciou então uma descida vertiginosa ao Inferno. Enquanto o corpo aguentou, conciliou futebol e vícios. Voltou ao Vitória, jogou no Boavista, andou por divisões secundárias – e acabou perdido nos distritais. Onde já só recebia uma sandes como ‘ordenado’. Para alimentar a dependência da droga e do álcool, começou a roubar. Foi condenado e esteve preso. Mãos amigas tentaram ajudá-lo mas já era demasiado tarde. Morreu com 50 anos.


UMA VIDA DIFERENTE
O isqueiro de Pedroto: Ao serviço do Vitória, Vítor Baptista teve uma tarde de glória nas Antas. Ao intervalo do jogo com o FC Porto, Pedroto, treinador sadino, acendeu um cigarro com um isqueiro de ouro que Vitor Baptista cobiçou. O técnico promete-lhe a preciosidade se ele marcar dois golos. Ele marcou mesmo e ao segundo correu para o banco a reivindicar o prémio.

Motorista com boné: Vítor Baptista mudou-se para o Benfica mas continuou a morar em Setúbal. Comprou um Jaguar e nos primeiros tempos arranjou um motorista para o conduzir aos treinos. Um motorista com boné.

O brinco: A história do brinco é incontornável. Perdeu-o num dérbi após marcar o golo do Benfica que deu a vitória sobre o Sporting. Nunca o encontrou e no final do jogo queixou-se: 'Perco dinheiro a trabalhar. O brinco valia 12 contos e o prémio de jogo são só 8.'

O ‘Maior’: Em Outubro de 1976, Vítor Baptista renova pelo Benfica. Dá então uma entrevista ao jornal ‘A Bola’ que faz história. A uma pergunta do jornalista Joaquim Rita, responde: 'Sou o melhor jogador português. Há outros bons, como o Chalana, mas eu sou o melhor.' Nascia uma lenda.

Rebelde: O episódio ficou conhecido como ‘o caso de Chipre’. Antes de um jogo entre selecções, Vítor Baptista chegou atrasado a um treino. Após a chamada de atenção, insulta Juca, o seleccionador. Chama 'malucos' aos colegas. Nunca mais jogou na Selecção.

Adeus à Luz: Em 1977, sai do Benfica porque exige 650 contos mensais. O clube dá 450 e um Porsche Carrera. Recusa e regressa a Setúbal, por 100 contos/mês. Já no Boavista, ‘vinga-se’ com um golo na vitória por 2-1, na Luz.


Carreira futebolística
1985/86 - Estrelas Faralhão
1984/85 - Estrelas Faralhão
1983/84 - Monte da Caparica
1982/83 - U. Tomar
1981/82 - Montijo (Jogador-Treinador)
1980/81 - Amora - 4 Jogos
1980 - San Jose Earthquakes - 2 Jogos
1979/80 - Boavista - 15 Jogos / 8 Golos
1978/79 - Vitória - 18 Jogos / 7 Golos
1977/78 - Benfica - 15 Jogos / 8 Golos
1976/77 - Benfica - 6 Jogos / 6 Golos
1975/76 - Benfica - 16 Jogos / 9 Golos
1974/75 - Benfica - 23 Jogos / 3 Golos
1973/74 - Benfica - 21 Jogos / 9 Golos
1972/73 - Benfica - 14 Jogos / 6 Golos
1971/72 - Benfica - 17 Jogos / 9 Golos
1970/71 - Vitória - 26 Jogos / 22 Golos; 4 jogos e 3 golos na Taça de Portugal; 8 jogos e 5 golos na Taça Uefa
1969/70 - Vitória - 22 Jogos / 11 Golos; 2 jogos e 2 golos na Taça de Portugal; 3 jogos na Taça Uefa
1968/69 - Vitória - 17 Jogos; 2 jogos e 1 golo na Taça de Portugal; 6 jogos e 1 golo na Taça Uefa
1967/68 - Vitória - 11 Jogos; 4 jogos na Taça de Portugal; 1 jogo na Taça dos Vencedores das Taças
1966/67 - Vitória - 0 Jogos no campeonato; 4 jogos na Taça de Portugal
Escalões de Formação do Vitória de 1963/64 a 1965/66

Total no Vitória: 128 jogos pelo Vitória (94 jogos na 1ª Divisão; 16 jogos na Taça de Portugal; 17 jogos na Taça Uefa e 1 na Taça dos Vencedores das Taças).
52 golos pelo Vitória (40 golos na 1ª Divisão; 6 golos na Taça de Portugal e 6 golos na Taça Uefa).

Fernando Tomé

Nome: Fernando Tomé
Posição: Médio centro
Nasceu no Porto a 1 de Julho de 1947.

Da esquerda para a direita, Tomé (com a bola), Pedras e Vitor Baptista.
Carreira como jogador:
VITÓRIA
1965-66: 10 jgs; 4 g - 2 jgs na Taça de Portugal
1966-67: 19 jgs; 2 g - 9 jgs; 1 g na Taça de Portugal - 2 jgs na Taça UEFA
1967-68: 22 jgs; 4 g - 8 jgs; 5 g na Taça de Portugal - 4 jgs; 1 g na Taça UEFA
1968-69: 23 jgs; 1 g - 1 jg na Taça de Portugal - 7 jgs; 4 g na Taça UEFA
1969-70: 26 jgs; 10 g - 1 jg na Taça de Portugal - 6 jgs; 2 g na Taça UEFA
Sporting
1970-71: 25 jgs; 5 g
1971-72: 18 jgs; 1 g
1972-73: 22 jgs; 3 g
1973-74: 10 jgs; 1 g
1974-75: 6 jgs
1975-76: 19 jgs
VITÓRIA
1976-77: 27 jgs; 3 g - 5 jgs; 6 g na Taça de Portugal
1977-78: 23 jgs; 1 g - 1 jg na Taça de Portugal
União de Leiria
1978-79: 1º Lugar na 2ª Divisão – Zona Centro
1979-80: 17 jgs; 1 g
1980-81: Campeão Nacional da 2ª Divisão
Total: 196 jogos pelo Vitória (150 jogos na 1ª Divisão, 27 jogos na Taça de Portugal, 19 jogos na Taça Uefa).
44 golos pelo Vitória (25 golos na 1ª Divisão, 12 golos na Taça de Portugal, 7 golos na Taça Uefa.

Títulos como jogador:
* 1 vez Campeão Nacional em 1973-74 (Sporting)
* 4 vezes vencedor da Taça de Portugal em 1965-66 (Vitória); 1970-71, 1972-73 e 1973-74 (Sporting)
* Campeão Nacional da 2ª Divisão em 1980-81 (U. Leiria)

Internacional “A” por Portugal:
* 2 vezes internacional pelo Vitória, nos jogos frente à Suíça e Inglaterra (1969);

Carreira como treinador:
U. Leiria
VITÓRIA
VITÓRIA (Juniores)
Comércio e Indústria



Fernando Casaca

Nome: Fernando Casaca
Posição: Médio interior
Nasceu em Setúbal a 16 de Fevereiro de 1933 e faleceu em Setúbal a 6 de Dezembro de 2004.

Fernando Casaca é o 3º em cima a contar da direita.


Como futebolista representou o Vitória de Setúbal durante 16 anos com notável regularidade e importância na equipa sadina, tendo ingressado no Sporting, em 1960-61 e depois no Olhanense onde desempenhou o cargo de jogador e treinador em simultâneo na época de 1962-63.
Como treinador orientou entre outras, as equipas principais do União da Madeira, Santa Clara, Lusitânia, Estrela de Portalegre e Olhanense, mas também das camadas jovens do Vitória.


Fernando Casaca foi um dos primeiros futebolistas em Portugal a ser operado ao menisco e, na altura, ficou célebre por ter proferido a seguinte frase poucas horas depois da intervenção cirúrgica: «Quem quiser ver o meu menisco dentro de um frasco de álcool, tem de pagar cinco tostões para ajudar à construção do estádio do Bonfim».

Perante a expectativa de Artur Vaz, Casaca desarma um jogador vimaranense


Palmarés no Vitória Futebol Clube:

Alinhou nas Camadas Jovens e equipas de reserva do Vitória: de 1944/45 a 1947/48
1948/49 - 5 jogos e 6 golos; 4 jogos e 5 golos na Taça de Portugal
1949/50 - 16 jogos e 8 golos
1950/51 - 7 jogos e 4 golos
1951/52 - 15 jogos e 8 golos
1952/53 - 18 jogos e 7 golos
1953/54 - 23 jogos e 12 golos; 7 jogos e 2 golos na Taça de Portugal
1954/55 - 13 jogos e 6 golos
1955/56 - 7 jogos e 1 golo; 1 jogo na Taça de Portugal
1956/57 - 13 jogos e 3 golos; 5 jogos e 1 golo na Taça de Portugal
1957/58 - 15 jogos e 5 golos; 3 jogos e 1 golo na Taça de Portugal
1958/59 - 22 jogos e 9 golos; 2 jogos na Taça de Portugal
1959/60 - 18 jogos e 6 golos; 4 jogos e 2 golos

Total: 198 jogos pelo Vitória (157 jogos na 1ª Divisão, 15 na 2ª Divisão, 26 na Taça de Portugal);
86 golos pelo Vitória (67 golos na 1ª Divisão, 8 na 2ª Divisão, 11 na Taça de Portugal).

1993-94

Em pé, da esquerda para a direita: Sérgio Araújo, Chiquinho Conde, Quim, Elísio, Rui Carlos e José Carlos. Em baixo, pela mesma ordem: Yekini, Figueiredo, Hélio, Eric Tinkler e Paulo Gomes.

Treinador: Raul Águas

* 1ª Divisão

- 6º lugar (14 vitórias, 6 empates, 14 derrotas; 56 golos marcados, 42 golos sofridos, 34 pontos)

Jogos para o campeonato

Benfica (c) 5-2 (f) 0-2
FC Porto (c) 3-3 (f) 0-2
Sporting (c) 2-3 (f) 1-2
Boavista (c) 1-3 (f) 0-1
Marítimo (c) 4-1 (f) 0-0
Vitória de Guimarães (c) 1-0 (f) 0-1
Farense (c) 2-0 (f) 1-2
Estrela da Amadora (c) 1-1 (f) 0-0
Gil Vicente (c) 0-2 (f) 1-2
Salgueiros (c) 4-0 (f) 2-1
União da Madeira (c) 2-3 (f) 1-2
Belenenses (c) 3-0 (f) 2-1
Beira-Mar (c) 2-0 (f) 1-2
Sp. Braga (c) 1-0 (f) 1-2
Paços de Ferreira (c) 3-0 (f) 1-1
Famalicão (c) 6-1 (f) 1-1
Estoril (c) 2-1 (f) 2-0

Jogadores utilizados
(presenças e golos marcados)


Guarda-Redes - Paulo Sérgio (6), José Carlos (12) e Ivkovic (18);
Defesas - Rui Gregório (10), Figueiredo (28), Edgar (12), Quim (31; 1 g), Fabinho (2), Elísio (17), Filgueira (19), Pica (5), Rui Carlos (30) e Ricardo (2);
Médios - Eric Tinkler (21), Rui Esteves (27; 1 g), Sessay (24), Nunes (9), Hélio (31; 1 g) e Sérgio (1);
Avançados - Chiquinho Conde (32; 15 g), Rashidi Yekini (29; 22 g), Chiquinho Carlos (22; 4 g), Rosário (19; 4 g), Paulo Gomes (25; 4 g) e Sérgio Araújo (19; 3 g).

*Estão contabilizados as presenças e o marcador do golo, do jogo Salgueiros 1-1 Vitória, que foi anulado depois de ter sido interrompido ao intervalo após mau tempo. O jogo foi posteriormente repetido, e terminou com uma vitória sadina por 2-1.


* Taça de Portugal (Oitavos de Final)

1/32 Avos de Final - Portimonense (c) 6-1
1/16 Avos de Final - Infesta (c) 4-0
1/8 Avos de Final - Sporting (c) 0-0
Repetição dos 1/8 Avos de Final - Sporting (f) 1-2

Jogadores utilizados
(presenças e golos marcados)


Guarda-Redes - José Carlos (3) e Ivkovic (1);
Defesas - Rui Gregório (1), Figueiredo (1), Edgar (2), Quim (2), Elísio (1), Filgueira (2; 1 g), Pica (3), Rui Carlos (4; 1 g) e Ricardo (1);
Médios - Eric Tinkler (2), Rui Esteves (3; 1 g), Sessay (3; 2 g), Nunes (2) e Hélio (2);
Avançados - Chiquinho Conde (2), Rashidi Yekini (4; 1 g), Chiquinho Carlos (1), Rosário (4; 3 g), Paulo Gomes (3) e Sérgio Araújo (3; 1 g).

1986-87

Em pé, da esquerda para a direita: Vitinha, Meszaros, Formosinho, Fernando Cruz, Quim e Aparício. Em baixo, pela mesma ordem: Hernâni, Vicente, Roçadas, Mota e Vítor Madeira.

Treinador: Malcolm Allison

2ª Divisão - Zona Sul
- 1º lugar na 1ª fase (21 vitórias, 6 empates, 3 derrotas; 57 golos marcados, 16 golos sofridos, 48 pontos).
- 2º lugar no torneio de Apuramento do campeão (2 vitórias, 1 empate e 1 derrota; 10 golos marcados, 8 golos sofridos, 5 pontos).
- Promoção à 1ª Divisão.

Jogos para o campeonato:

Estrela da Amadora (c) 1-0 (f) 1-1
Atlético (c) 3-1 (f) 0-1
Barreirense (c) 3-0 (f) 4-1
Cova da Piedade (c) 4-1 (f) 3-2
Estoril (c) 2-0 (f) 3-0
Esperança de Lagos (c) 0-0 (f) 2-1
Lusitânia (c) 4-0 (f) 1-1
Montijo (c) 2-1 (f) 1-1
Nacional (c) 1-0 (f) 2-1
Olhanense (c) 1-1 (f) 1-2
Oriental (c) 2-0 (f) 1-0
Sacavenense (c) 2-0 (f) 0-0
Samora Correia (c) 3-0 (f) 2-1
Santiago do Cacém (c) 3-1 (f) 2-0
União da Madeira (c) 0-1 (f) 3-0

Torneio de Apuramento do campeão

Sporting da Covilhã (c) 0-1 (f) 3-3
Sporting de Espinho (c) 4-2 (f) 3-2

Jogadores utilizados
(presenças e golos marcados)


Guarda-Redes - Meszaros (34) e Miguel (1);
Defesas - Crisanto (26; 2 g), Mota (30; 1 g), Zezinho (24), Vicente (11), Quim (31) e Paulo Antunes (2);
Médios - Vitinha (15; 2 g), Ademar (12), Jesus (8; 1 g), Formosinho (16), Hernâni (30; 10 g), Patrick Nilsson (4), Tó Maria (6) e João Mendes (6; 2 g);
Avançados - Maside (26; 7 g), Aparício (21; 9 g), Fernando Cruz (22; 1 g), Roçadas (32; 14 g), Miguel Ângelo (6; 1 g), Vítor Madeira (32; 15 g) e Tatão (7; 1 g).


* Taça de Portugal (2ª eliminatória)

2ª Eliminatória - Vitória de Guimarães (f) 1-4

Jogadores utilizados
(presenças e golos marcados)


Guarda-Redes - Meszaros;
Defesas - Mota, Vicente, Zezinho, Quim e Paulo Antunes;
Médios - Vitinha, Hernâni e João Mendes;
Avançados - Aparício, Fernando Cruz (1 g), Roçadas e Vítor Madeira.

2007-08

Em pé, da esquerda para a direita: Sandro, Robson, Ricardo Chaves, Jorginho e Eduardo.
Em baixo, pela mesma ordem: Elias, Leandro Branco, Cláudio Pitbull, Janício e Bruno Gama.
Treinador: Carlos Carvalhal

* Campeonato Nacional da 1ª Divisão (Superliga)

- 6º lugar na Superliga (11 vitórias, 12 empates, 7 derrotas; 37 golos marcados, 33 golos sofridos; 45 pontos).
- Qualificação para a Taça Uefa
Jogos para o campeonato

FC Porto (c) 1-2 (f) 0-2
Benfica (c) 1-1 (f) 0-3
Sporting (c) 1-0 (f) 2-2
Sporting de Braga (c) 3-1 (f) 3-2
Nacional (c) 1-1 (f) 0-0
Boavista (c) 3-1 (f) 3-3
União de Leiria (c) 2-0 (f) 2-0
Estrela da Amadora (c) 0-0 (f) 1-0
Marítimo (c) 1-0 (f) 0-0
Paços de Ferreira (c) 3-1 (f) 1-2
Naval (c) 1-2 (f) 0-0
Académica de Coimbra (c) 3-1 (f) 0-0
Belenenses (c) 1-1 (f) 0-5
Leixões (c) 2-0 (f) 1-1
Vitória de Guimarães (c) 0-1 (f) 1-1

Jogadores utilizados
(presenças e golos marcados)


Guarda-Redes - Eduardo (30);
Defesas - Janício (28), Adalto (20), Jorginho (14), Robson (28; 1 g), Auri (29; 2 g), Hugo (6, 1 g) e Léo Bonfim (1);
Médios - Paulinho (24; 1 g), Bruno Ribeiro (13; 1 g), Sandro (27), Elias (30; 4 g), Ricardo Chaves (29; 2 g) e Filipe Gonçalves (25; 1 g);
Avançados - Matheus (15; 5 g), Bruno Gama (24; 4 g), Bruno Severino (9; 1 g), Kim Byong (5), Edinho (15, 6 g), Leandro Branco (20), Léo Macaé (1) e Claúdio Pitbull (25; 7 g).

* Taça de Portugal (Meias Finais)

4ª Eliminatória - Operário dos Açores (f) 1-0
5ª Eliminatória - União de Leiria (c) 1-0
Oitavos de Final - Vitória de Guimarães (c) 1-1; 4-1 nos penalties
Quartos de Final - Naval (f) 2-1
Meias Finais - FC Porto (c) 0-3

Jogadores utilizados
(presenças e golos marcados)

Guarda-Redes - Eduardo (5);
Defesas - Janício (5), Adalto (2), Jorginho (4), Robson (5; 1 g) e Auri (5);
Médios - Paulinho (2), Bruno Ribeiro (2), Sandro (5), Elias (5), Ricardo Chaves (4) e Filipe Gonçalves (4);
Avançados - Matheus (2; 1 g), Bruno Gama (5), Bruno Severino (2), Kim Byong (1), Edinho (2; 1 g), Leandro Branco (5; 1 g) e Claúdio Pitbull (5; 1 g).


* Taça da Liga (Vencedor)

2ª Eliminatória - Gondomar (f) 3-0
3ª Eliminatória - Sporting de Braga (c) 2-0
4ª Eliminatória - Benfica (c) 2-1 (f) 1-1
Fase de Grupos: 1ª jornada - Sporting (c) 1-0
Fase de Grupos: 2ª jornada - Penafiel (f) 1-1
Fase de Grupos: 3ª jornada - Beira Mar (c) 3-0
Final - Sporting (n) 0-0; 3-2 nos penalties

Jogadores utilizados
(presenças e golos marcados)


Guarda-Redes - Eduardo (8);
Defesas - Janício (8), Adalto (7), Jorginho (4), Robson (8; 1 g), Auri (8) e Hugo (2);
Médios - Paulinho (4), Bruno Ribeiro (2), Sandro (8), Elias (8), Ricardo Chaves (8; 1 g) e Filipe Gonçalves (6, 1 g);
Avançados - Matheus (6, 5 g), Bruno Gama (5), Kim Byong (2; 2 g), Edinho (6; 2 g), Leandro Branco (5; 1 g) e Claúdio Pitbull (6).